10.12.2015 | Consultoria Empresarial

Corporate Turnaround – 8 Estratégias Para uma Reviravolta Eficaz

Corporate Turnaround

 

Qualquer negócio ao redor do mundo necessita de uma combinação de fatores e ingredientes para obter e manter seu sucesso. Contudo nem todos conseguem manter os gráficos ascendentes, quer seja devido à falta de fundos, marketing inadequado, pessoas erradas a bordo ou produtos e serviços ineficientes. O que pode levar a um caminho declinante através de uma espiral descendente.

Então devemos simplesmente desistir e perder toda a esperança ou é preciso se esforçar para reviver e retornar à superfície? Bem, esse processo de revitalização é conhecido como Corporate Turnaround ou “Reviravolta” Corporativa.

 

O QUE É UM CORPORATE TURNAROUND?

É comum que empresas de todo o mundo experimentem uma desaceleração em seus negócios, quer devido à uma despesa maior do que a esperada ou em virtude de vendas e lucro muito abaixo do que foram planejados. Embora, em alguns casos, esta situação possa ser facilmente manejada e tratada, em outros casos, ela pode conduzir a uma espiral decadente. Nesse caso, a gestão da organização deve encontrar formas de se levantar do abismo e traçar o caminho em direção a retomada dos lucros. Corporate Turnaround ou Turnaround Management é um processo de transformação de uma empresa deficitária em uma empresa geradora de lucro. É simplesmente um método de renovação corporativa que visa o salvamento de um negócio conturbado e a correção de todos os erros, de modo a levá-lo a uma nova situação geradora de lucro. Um Corporate Turnaround deve ser estruturado, bem planejado e abordado de forma metodológica afim de prover o renascimento da empresa e, deve ser alcançado através de uma abordagem passo a passo que leva tempo, investimento e participação das pessoas.

Quais perguntas devem ser feitas para descobrir se um Corporate Turnaround é necessário?

A fim de descobrir se a empresa precisa ou não de um Corporate Turnaround, é importante responder as questões abaixo:

A empresa atua em uma condição de perigo e está caminhando para uma espiral descendente?

A empresa está hesitante sobre seus esforços e saindo fora de controle?

A empresa está gastando mais do que está ganhando e os ganhos são muito difíceis de se conquistar?

A reputação da empresa está sofrendo?

Depois de refletir sobre as respostas, automaticamente teremos uma idéia do estado atual do negócio, com base no qual podemos tomar outras ações.

Quais as causas mais comuns de fracasso de um negócio?

Antes de iniciar o caminho em direção à recuperação da empresa, é importante conhecer e compreender as diversas causas de seu fracasso. Na maioria dos casos, as empresas se concentram mais nos sinais e sintomas de declínio em vez de olhar para suas reais razões (causa raiz). Sem saber os motivos, a retificação permanece incompleta.

Pode haver muitas razões para o declínio de um negócio, e essas são divididas em dois tipos: causas externas e causas internas.

Causas externas

As causas externas para o fracasso de uma empresa ou organização resultam de um evento, atividade, tendência externa ou acontecimento. A tendência das indústrias e a condição econômica no exterior pode afetar muito uma empresa ou organização, não importa como ela funcione ou o quão bem ela implemente mudanças.

A seguir estão algumas das principais causas externas para o fracasso de uma empresa:

Novo concorrente agressivo – Presença de um ou mais concorrentes agressivos no mercado pode levar à queda de uma empresa.

Aumento de preço dos insumos – Outra razão para o fracasso de uma empresa poderia ser um aumento repentino e inesperado no preço dos insumos.

Mudanças na demanda do mercado – Mudança na demanda do mercado e redução na preferência do produto também podem ser razões importantes.

Condições econômicas – A condição atual do mercado ou economia também podem ser fatores contribuintes para o declínio de uma empresa.

Causas internas

Como o nome sugere, as causas internas do fracasso de um negócio emergem de dentro da empresa e são resultado de uma pobre participação das pessoas, esforços insuficientes, ferramentas inadequadas, dentre outros. A seguir estão algumas das principais causas internas:

Falhas de gestão – A má gestão de uma empresa muitas vezes leva à sua queda e pode ser uma das principais razões para uma falha.

Falhas em decisões financeiras – Perda de controle de orçamento, previsão financeira fraca e ausência de um sistema de custeio adequado são apenas alguns exemplos de controles financeiros insuficientes em uma empresa que podem levá-la ao declínio.

Ignorar novas tendências – Ignorar as novas tendências de negócio e consequentemente não crescer com elas também pode ser uma grande razão para o declínio de uma empresa.

 

QUAIS OS REQUISITOS BÁSICOS PARA UM CORPORATE TURNAROUND?

É importante entender que nem todas as empresas que enfrentam problemas podem ser resgatadas. Existem alguns fatores necessários para a implementação de um processo de turnaround e, sem cumprir estes requisitos básicos, nenhum negócio abalado pode ser totalmente reavivado. A seguir estão três requisitos básicos para a recuperação de uma empresa:

1 – Um núcleo forte: Qualquer empresa com um núcleo viável e forte está qualificada a passar por um processo de Corporate Turnaround, não importa o quão aflita ela possa estar atualmente. Um núcleo sólido, com funcionários de confiança e boa vontade suficiente pode ser revivido através de esforços e estratégias de resposta. Claro que, mesmo nessa ocasião, o negócio terá que trabalhar duro para provar novamente o sucesso.

2 – Financiamento de curto prazo: Além de raízes fortes e sólidas, uma empresa ou corporação também precisa de financiamento adequado, o que pode ser possível através de um financiamento de curto prazo que seja viável. A empresa deve ter acesso a recursos financeiros suficientes, a fim de se levantar e novamente patrocinar sua própria recuperação. A idéia é ter fluxo de caixa suficiente para trazer de volta o negócio.

3 – Recursos e habilidades: A empresa também deve ter acesso a recursos tangíveis e intangíveis e habilidades específicas. Sem os recursos adequados, conhecimento, experiência e habilidades, nenhuma empresa pode se recuperar, mesmo tendo base sólida e um bom fluxo de caixa. Sem habilidades e recursos, a recuperação da empresa pode provar ser uma tarefa muito difícil ou impossível.

 

QUAIS SÃO AS ESTRATÉGIAS PARA UM CORPORATE TURNAROUND EFICAZ?

Corporate Turnaround não é meramente um ponto que pode ser alcançado fazendo apenas algumas alterações. Tornar um negócio adverso em um negócio próspero pode ser um processo complexo, que envolve várias etapas, métodos e estratégias. Por vezes, pode levar anos para recuperá-lo devido a vários fatores que precisam de cuidado, dentre eles gestão, finanças, marketing, operações e recursos humanos. Uma abordagem estratégica deve ser seguida para cumprir uma reviravolta de forma eficaz. Compilamos algumas das melhores estratégias para um Corporate Turnaround eficaz:

1 – Reavaliação

Para curar um problema, o diagnóstico da sua causa inicial é a primeira etapa a ser seguida. O mesmo vale para um Corporate Turnaround. O primeiro passo a seguir é descobrir se o negócio está prejudicado além da possibilidade de reparo. Caso a resposta for não, então é preciso olhar dentro da organização e descobrir qual é o problema. Somente quando a situação for reavaliada poderá ser decidido quais ações podem ser tomadas. Para conseguir isso, é preciso se concentrar em algumas áreas chave, que são dadas a seguir:

Produto – Um negócio é constituído pelos produtos e serviços que oferece e, portanto, é fundamental assegurar se os produtos que estão sendo oferecidos são inovadores o suficiente, exclusivos o suficiente e principalmente “compráveis” pelos consumidores.

Clientes – É preciso descobrir se os consumidores estão satisfeitos com os produtos que estão sendo oferecidos a eles, e se esse são o público-alvo certo.

Finanças – O fluxo de caixa é suficiente para sustentar as operações do negócio? Existe financiamento de curto prazo adequado para estabilizar a situação?

Processo – Devemos entender se todos os processos de negócios e sistemas estão adequados e se trabalham de forma eficaz. Sem isso, o desempenho do negócio pode cair consideravelmente.

Pessoas – Pode ser o momento para descobrir se o negócio é suportado pelas pessoas e colaboradores certos. Os funcionários desempenham um grande papel no sucesso de qualquer organização e, portanto, talvez seja necessário reduzir alguns poucos que não estejam oferecendo uma boa contribuição e reforçar o engajamento daqueles que fazem a diferença.

2 – Estabilização da crise

Uma vez que a situação tenha sido analisada, o próximo passo é estabilizar a situação e certificar-se de que o estado de emergência foi eliminado. Para estabilizar a crise, é preciso conservar a liquidez dos fundos para que uma janela de oportunidade possa ser criada. Devemos dedicar esforços para ganhar uma pequena reestruturação das finanças e do negócio, de modo que os próximos passos possam ser mais facilmente tratados, sem se preocupar com a escassez de fundos ou o caos nas operações comerciais.

Devemos nesta etapa acompanhar a situação, monitorá-la bem e controlá-la. Só quando os esforços para a estabilização forem efetivados é que será possível experimentar a liberdade para fazer as mudanças necessárias.

3 – Redefinição da estratégia

O próximo passo a seguir a fim de recuperar o negócio de forma eficaz é redefinir a estratégia atual da empresa. Redefinir essa estratégia significa fazer mudanças estratégicas e objetivas da abordagem seguida pela empresa de modo a atingir seus objetivos. Se a empresa está em uma espiral descendente, uma das maiores razões por trás disso pode ser uma lacuna em sua estratégia. Esta etapa pode fazer toda a diferença no futuro da organização e lhe dar uma nova direção. A revisão da abordagem estratégica também pode fazer a empresa perceber os lacunas da abordagem anterior e definir as mudanças que precisam ser feitas.

Os principais focos a se concentrar:

Visão – É preciso criar sua nova estratégia, mantendo em mente qual a sua visão ou objetivo. É preciso saber exatamente o que a empresa deseja alcançar e onde ela deseja estar.

Objetivo – Todos estão cientes do propósito real da empresa? A estratégia deve abordar este fim. Em primeiro lugar, é preciso verificar se ela está cumprindo o objetivo para o qual foi criada.

Marca – A estratégia de negócios também deve abordar o valor da marca e deve incidir sobre o tipo de impacto desejado sobre o público.

Missão – Devemos incorporar na estratégia a intenção de ter sucesso com o negócio e como obter esse sucesso.

Valores – A empresa possui princípios, políticas e normas a serem mantidas e seguidas? Se sim, devemos nos certificar de que a estratégia as leva em consideração.

4 – Retenção de funcionários e reemprego

Não existe nenhuma recuperação empresarial que deixe de tratar sobre as pessoas envolvidas. São os colaboradores ou empregados que executam um negócio e, não importa como suas finanças estão e quão boa sua estratégia é, se as pessoas que o apoiam não têm um bom desempenho, não há nenhuma possibilidade de sucesso. Agora pode ser o momento certo para descobrir quem realmente está oferecendo os melhores serviços para a organização e quem não está correspondendo às expectativas.

Nesta etapa, é preciso tomar a decisão de remanejar pessoas, eliminando os elos mais fracos e retendo aqueles que são cruciais para o negócio. Para reviver um negócio, é importante manter as pessoas certas a bordo e educadamente se desculpar com as erradas.

5 – Melhoria de processos e produtos

Além das pessoas e da estratégia, outra ponto a se concentrar é a “re-inovação” de produtos e serviços e das operações do negócio. Sem um upgrade regular e inovação dos produtos e serviços, os clientes logo tendem a perder o interesse, e essa poderia ser a razão para sua queda. Certifique-se de que a empresa está oferecendo a seus consumidores algo que eles não podem encontrar em qualquer outro lugar. Mudanças regulares de produtos de acordo com as exigências do mercado e dos clientes é a chave para manter o interesse do consumidor.

O mesmo vale para os processos e operações de negócios. A empresa já incorporou as mais recentes tecnologias ou métodos em seus sistemas e processos? A empresa inovou seu estilo de atuação, ambiente de trabalho e princípios baseados na mudança dos tempos? Se não, então ela provavelmente deve começar a fazer isso agora.

6 – Reestruturação financeira

Uma das principais razões óbvias para a falha de um negócio é a falta de fundos. Sem resolver problemas de financiamento, todos os outros esforços no sentido de uma reviravolta podem falhar lamentavelmente. Se a empresa está ficando sem dinheiro, é importante se concentrar em sua reestruturação financeira. Embora seja uma ótima idéia procurar financiamento externo, ainda é melhor tentar adquiri-lo dentro da empresa. Algumas maneiras de fazer isso são dadas abaixo:

Reduza os custos, sempre que possível e demita se necessário alguns dos funcionários improdutivos.

Se a empresa precisa levantar dinheiro rápido, considere a venda de alguns ativos fixos.

Tente tomar algum dinheiro das economias pessoais dos proprietários ou investidores.

Só depois que as fontes de financiamento interno foram esgotadas é que se deve optar pelo financiamento externo.

7 – Retorno à normalidade

Agora, a próxima estratégia envolve retornar à normalidade. Uma vez que a empresa tem um fluxo de caixa constante, e todos já se acostumaram às mudanças, é importante voltar ao mesmo horário de trabalho e criar uma atmosfera de normalidade e rotina. Uma vez que a empresa está fora da situação de crise, os funcionários começam a ganhar mais confiança, os processos são colocados de volta à sua velocidade normal e os esforços são voltados à manter um sólido desempenho.

8 – Digitalização do negócio

À medida que o mundo está se movendo em direção ao desenvolvimento e avanços tecnológicos, é importante seguir em frente com ele. Nos dias de hoje, a maioria dos consumidores e clientes pesquisam online para comprar produtos e serviços, exigindo que a empresa entre na era digital. Ir pela rota digital não é apenas uma necessidade, mas também uma demanda dos consumidores. É necessário introduzir novos sistemas, tecnologias online e marketing online na estratégia do negócio para ganhar o máximo nas atuais circunstâncias. A era digital também dá uma vantagem sobre os concorrentes e coloca a empresa no grupo dos que já estão colhendo bons lucros através de marketing online e vendas.

A internet oferece uma excelente oportunidade para a empresa se reinventar, reagir e evoluir. Não há dúvida de que ela mudou o mundo, a forma como as empresas trabalham e a forma como os consumidores compram. Então, para concluir um processo de recuperação da empresa, é importante selá-lo com um bom website, uma abordagem forte e centrada em SEO, facilidade de e-commerce, bem como uma presença nas mídias sociais, posicionando dessa forma a marca e relacionando-a com o propósito e valores do negócio.

 

Adaptado de Effective Corporate Turnaround Strategies/ Entrepreneurial Insights.